Neste conteúdo, falaremos especificamente sobre o mercado externo e as oportunidades para a tecnologia nacional. Para isso, vamos tentar entender os motivos que levaram empreendedores a optar por deixar seus produtos e serviços em solo brasileiro.

Além de compreender o mercado, é também preciso compreender a empresa. E, a partir deste estudo, elaborar um Plano de Marketing Internacional. 

O que se pode observar é que não temos como negar que a tecnologia da informação (TI) brasileira encontrou muitas barreiras para chegar ao mercado externo, como:

  • Falta de capital de investimento;
  • Próprias barreiras de exportação;
  • Empecilhos na burocracia;
  • Questões logísticas; 
  • Falta de uma cultura exportadora; 
  • Falta de visão de futuro, prevalecendo o imediatismo.

Mercado nacional

Outro ponto que pode ter desmotivado empreendedores de TI a exportar seus produtos e serviços é o tamanho do mercado nacional que, ao absorver a oferta, torna-se aparentemente mais confortável do que o mercado externo, muito mais competitivo. Talvez até seja por isso que grande parte das exportações brasileiras se concentra em poucas e grandes empresas.

Ao contrário do que acontece no Brasil, em vários outros países a exportação é o principal foco de pequenas e médias empresas, gerando um grande número de empregos e desenvolvendo tecnologias - permitindo que os produtos por elas exportados tenham agregação de valor. O que se exporta, quando se fala em tecnologia, é conhecimento.

A primeira ação desses países foi preparar suas pequenas e médias empresas, principalmente por meio de capacitações - informando os empresários para a escolha do país a ser objeto da exportação, na investigação mercadológica e sobre as possibilidades das empresas internacionalizarem seus produtos.

Além de compreender o mercado, é também preciso compreender a empresa. E, a partir deste estudo, elaborar um Plano de Marketing Internacional.

Mercado internacional

Mas nem sempre a solução ou a saída está na exportação. Até porque o mercado internacional pode aparentar ser uma novidade atrativa para médias e pequenas empresas, mas apresenta também as suas ameaças. Vamos pensar agora sobre os pontos fortes e fracos dessa abertura de mercado e também nos desafios que ele pode representar para a indústria nacional.

Principais desafios

  • Sair do estado embrionário de exportação para algumas empresas;
  • Ter case internacional;
  • Dedicar uma equipe com conhecimento e tempo exclusivos para a exportação;
  • Caracterizar melhor o setor demandante para orientar a integração das competências;
  • Criar marca de impacto.

Assim, como você observou neste conteúdo, é possível perceber uma série de desajustes nesse cenário de exportação e de avaliação do mercado nacional. Ao ajustar essas questões, o empreendedor estará preparado para colocar não só o pé, mas também seus produtos e serviços no exterior.

Para ajudar a quebrar as barreiras internacionais, poderá desenvolver diversas atividades de localização e internacionalização do mercado e de suas soluções. É sempre bom aprender com quem já fez o caminho e chegou ao objetivo pretendido.

Nesse sentido, nós brasileiros temos muito o que aprender com os modelos de negócios especialmente da Europa e dos Estados Unidos.

Que tal continuar explorando?